Baques de caboclinhos se apresentaram no Pátio de São Pedro

< Anterior  Próxima >
Dez grupos apresentaram seus baques. Nesta quinta (13), outros caboclinhos mostram seus ternos. Foto: PCR

Os caboclinhos são uma das mais belas e vibrantes manifestações da cultura popular pernambucana. Nesta quarta (12), o Pátio de São Pedro recebeu baques e estandartes de dez agremiações. Revezaram-se no palco, os caboclinhos Taquaracy, União Sete Flexas, Tribo de Índio Tupinambá, Canindé de São Lourenço, Tribo Indígena Tapirapé, Cahetés de Goiana, Índio Tupi Guarani de Buenos Aires, 7 Flexas, Tupã e Kapinawá.

Os baques ou ternos é como se chamam os grupos musicais que compõem os caboclinhos. Os conjuntos são formados por homens, que tocam instrumentos tradicionais como flauta, maraca, surdo, caixa e, em alguns casos, atabaque. Alguns deles também contam com um puxador que entoa alguns cantos que remetem à Jurema Sagrada, religião afroindígena. Os caboclinhos tiveram o reforço de seus respectivos porta-estandartes e de dançarinos.

Nesta quinta (13), a partir das 18h30, mais dez caboclinhos se apresentam no Pátio de São Pedro: Potiguares de Goiana, Canindé do Recife, Tribo de Índios Tupiniquins, Uruba de Recife, Tabajara de Goiana, Tribo Indígena Tupi Guarani, Tupynambá, Carijós do Recife, Canindé de Camaragibe e Arapahós.