Foto: Hesíodo Góes/PCR

A história do samba no Recife vem de longa data. Os primeiros registros datam das primeiras décadas do século passado e as primeiras referências do samba de escolas encontram-se no bairro de Casa Amarela, na batucada o Bando da Noite, mais tarde chamada Escola de Samba Quatro de Outubro. Hoje há diversas agremiações e grupos percussivos na Imbiribeira, Afogados, São José, Bomba do Hemetério, Areias, Joana Bezerra e Santo Amaro. A cidade hoje é considerada o terceiro polo de samba do país.

No Recife, o samba é a base de dois tipos de grupos carnavalescos. A escola de samba é uma agremiação que possui uma organização bem definida composta por alas, comissão de frente, mestre sala e porta bandeira, além de ter um tema e samba enredo que define como serão seus os carros alegóricos e as fantasias dos integrantes. Além disso, os grupos desfilam e competem anualmente no período do carnaval, assim como as escolas do Rio de Janeiro e São Paulo. Já os blocos de samba são grupos de percussão que podem ter na sua composição fantasias e alas parecidas com as escolas, mas sem uma estrutura rigorosa. Os blocos também não participam do concurso. A essência é a orquestração do samba.