ALMIR ROUCHE – Homenageado do Carnaval do Recife 2017

Almir Rouche Cavalcante de Lima nasceu em 4 de março de 1969, no município de Igarassu, Região Metropolitana do Recife. O cantor e compositor Almir Rouche, como é conhecido, está completando 30 anos de carreira, e hoje é considerado uma das principais expressões artísticas da cultura pernambucana. Figura marcante do carnaval, está presente nas principais prévias, bailes e agremiações da cidade, como o Galo da Madrugada. Neste ano ele será um dos homenageados do Carnaval.

Foto: Irandi Souza

O artista consagrou-se nacionalmente no início da década passada, quando participou de festivais e carnavais fora de época de todo o país. Internacionalmente, o reconhecimento veio em 2001, ano em que participou da turnê “Pernambuco em Canto”, realizada na Europa, junto com vários artistas pernambucanos, como Alceu Valença, Antonio Carlos Nóbrega, Geraldo Azevedo e Elba Ramalho. Intérprete de um repertório repleto de ritmos regionais, Almir imprime um toque pessoal e estilo próprio em tudo o que faz. Artista popular, ele também encanta as massas compondo e interpretando gêneros musicais como forró, coco, maracatu, ciranda, caboclinho e MPB.

O último DVD lançado pelo cantor, intitulado ‘Evoé Nabuco’, foi gravado no Pátio de São Pedro, no centro do Recife, em 2011, e contou com uma superprodução. O trabalho prestou homenagem a Joaquim Nabuco e teve participações especiais de artistas como Elba Ramalho, MV Bill, Arlindo dos 8 Baixos, Maestro Spok, Gaby Amarantos, André Rio, Nena Queiroga, Marrom Brasileiro, Ed Carlos e Gustavo Travassos. O próximo trabalho, intitulado “Rouche 30”, alusivo aos 30 anos de carreira, será lançado no início de 2017, com data a ser definida.

Almir, que já esteve à frente das bandas “Turma do Pinguim”, entre os anos 1987 e 1999, e “Almir Rouche e Banda Humm”, de 2000 a 2001, segue carreira solo desde 2002. Possui, ao todo, 26 CDs e 6 DVDs gravados. Grandes sucessos como “Deusa de Itamaracá”, “Galo eu te Amo”, “A vida inteira te Amar” e “Recifolia” são de autoria do próprio Almir Rouche, em parceria com outros artistas. Ele explica que foi influenciado por cantores como Capiba, Luiz Gonzaga, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Expedito Baracho, Nelson Ferreira e Ney Matogrosso, além de artistas internacionais, com destaque para o rei do pop Michael Jackson e as bandas britânicas Iron Maiden e Rush. Esta última originou o pseudônimo “Rouche”, que Almir usa desde antes de se tornar um artista profissional.

TRIBO CARIJÓS – Homenageado do Carnaval 2017

Fotos: Lú Streithorst/PCR

A agremiação foi fundada em 5 de março de 1896, pelo estivador Antônio da Costa, que costumava incorporar o caboclo Carijó nas sessões de Jurema. Segundo a tradição oral, ele recebeu a autorização religiosa e a missão de organizar um grupo fantasiado de índio durante o carnaval, a fim de preservar a cultura regional. Em pouco tempo, seus caboclos já estavam nas ruas do Recife, com flechas, lanças, penachos coloridos e dançando Perré ao som de tambores, pífanos, gaitas de taboca e ganzá.

Desda a sua fundação, a Tribo Carijós teve cinco presidentes. Atualmente, quem ocupa a função é Jefferson Roberto Cosme dos Santos, de 27 anos, mais conhecido como Pai Jefferson. A agremiação, ligada à cultura indígena e ao culto da Jurema, já ocupou várias sedes,  passando pelos bairros da Bomba do Hemetério, Alto José do Pinho e Casa Amarela. Hoje está instalada na Mangabeira, zona Norte do Recife.

A Tribo Carijós retomou suas atividades em 2011, após passar 13 anos sem desfilar. Há doze décadas é a maior detentora de títulos carnavalescos do Recife. Dentre os mais importantes, destacam-se: hexacampeã, de 1970 a 1975; tricampeã, de 1980-1982; novamente hexacampeã, de 1987 a 1992. Atualmente é a campeã do Grupo 1. Neste ano de 2017, quando será homenageada no Carnaval do Recife, a Tribo Carijós desfilará com 220 componentes e celebrará 120 anos de existência.