Nando Reis e Skank estreiam em grande estilo no Carnaval do Marco Zero

< Anterior  Próxima >

 

Na noite desta segunda-feira (12), o cantor Nando Reis e a banda mineira Skank se apresentaram, pela primeira vez, no palco do Marco Zero, maior polo do Carnaval do Recife 2018. Veteranos da música pop brasileira, com décadas de experiência, os artistas fizeram shows empolgantes, colocando  milhares de pessoas para cantar e pular ao som de um verdadeira coleção de grandes sucessos.

Coube ao Skank subir ao palco primeiro. E os mineiros mostraram desde o início qual seria a tônica do show, fazendo a praça explodir com a música “É uma partida de futebol”, por coincidência escrita em parceria com Nando Reis. A partir daí, o jogo estava ganho: o público cantou junto músicas como “É Proibido Fumar”, “Te Ver”, “Saideira”, “Jackie Tequila” e “Garota Nacional”, até o final apoteótico com “Vamos Fugir”, de Gilberto Gil.

O vocalista da banda, Samuel Rosa, destacou a “experiência nova” que foi tocar no Carnaval do Recife. “O Marco Zero é um lugar muito bonito. É sempre bom fazer show numa cidade tão musical, famosa pela sua cultura. Desde o início da carreira, nós nos identificamos com a música pernambucana e até hoje temos parcerias com bandas como a Nação Zumbi”, afirma Rosa.

Logo em seguida, foi a vez de Nando Reis subir ao palco. Ex-integrante da banda Titãs, o “Ruivo” está na estrada desde os anos 80 e seu show refletiu toda essa bagagem. A primeira música foi “Marvin”, grande sucesso titânico, assim como “O Mundo é Bão, Sebastião”, “Os Cegos do Castelo” e “Não Vou me Adaptar”. O público se emocionou também com as belas “Onde Você Mora” (parceria de Nando com Marisa Monte), “Relicário” e “O Segundo Sol”.

“Fiquei muito feliz por ter sido convidado. O Carnaval é uma festa aberta a sons variados. Subir ao palco é sempre uma grande aventura, que me permite mostrar tudo o que eu realizei em mais de 30 anos de carreira”, declarou o artista. A foliã recifense Janaína Vasconcelos adorou a programação da noite. “Teve de tudo um pouco: frevo, rock, reggae, pop. Adorei tudo e fiz questão de ficar até o final”, disse.