Swingueira e afoxé são os destaques do polo de Casa Amarela

< Anterior  Próxima >

O último dia de programação do Carnaval 2017 no polo de Casa Amarela, na zona norte do Recife, teve como destaques, na noite desta terça-feira, dois ritmos bem distintos: o afoxé Omo Iná, do bairro da Mangabeira, e o suingue da banda Praktá, da cidade de Olinda. O público também pode acompanhar durante as apresentações no palco as bandas Arca de Pandora e Dinho Andrade, além de grupos culturais no entorno.

Segundo o presidente da Omo Iná, Anderson Roberto, seu afoxé é ligado ao candomblé e foi fundado há cinco anos. “Nossa família tem um terreiro na Mangabeira e resolvemos criar o afoxé para prestar uma homenagem ao orixá “Oyá”, que na Igreja Católica corresponde a Santa Bárbara”, contou. Explicações religiosas e culturais à parte, o certo é que povo aprovou o batuque ritmado da Omo Iná. A dona de casa Maria Fernanda, que mora nas proximidades do mercado público de Casa Amarela, gostou da apresentação. “Como mulher e negra é sempre bom manter contato com minhas raízes africanas”, ressaltou.

Mas quem colocou todo mundo para dançar foi mesmo o suingue da banda Praktá, que trouxe de Olinda três vocalistas, três dançarinas e uma banda afiada. O show começou com músicas de Alceu Valença e Lenine, mas logo a swingueira tomou à frente para alegria geral do polo. “Que maravilha essa banda, estou gostando muito”, disse o comerciante Almir francelino, morador do Morro da Conceição. Ele contou que no lugar de gastar com passagens de ônibus preferiu comprar cervejas e acompanhar o polo local.

Feliz com o sucesso da apresentação de sua banda, o casal de vocalistas Paulinha Cavalcanti (ex-banda Pingüim) e Rick Alencar (ex-banda Luará) explicou que o grupo surgiu há sete anos. “Ao todo somos 20 componentes e fazemos apresentações durante todo ano. Graças à Deus vem dando tudo certo e cantar em um polo carnavalesco da Prefeitura é uma prova disso”, frisou Paulinha.